Concepções docentes sobre didáticas lúdicas no ensino técnico integrado ao ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47519/eiaerh.v8.2022.ID405

Palavras-chave:

Ensino, Ensino Técnico Integrado ao Ensino Médio, Ludicidade

Resumo

O objetivo deste artigo foi identificar a concepção docente sobre o uso de ações lúdicas como procedimento didático no Ensino Técnico Integrado ao Ensino Médio, na Rede Federal de Ensino. Métodos quali-quantitativos e descritivos, direcionados à educação apontaram como resultados: escassez de pesquisas envolvendo ludicidade e Ensino Técnico Integrado ao Ensino Médio, ações lúdicas protagonizadoras de situações do mundo do trabalho, lacuna na formação pedagógica - limitando saberes e propositura de atitudes lúdicas no contexto escolar. Gerou reflexões docentes sobre suas práticas de ensino, ampliando conhecimentos sobre as contribuições lúdicas nos processos educativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvania Gallo Andreazi, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Doutoranda em Educação para Ciência. Mestra em Educação: Docência para a Educação Básica. Licenciada em Pedagogia. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo/Câmpus Birigui.

Maria do Carmo Monteiro Kobayashi, Universidade Estadual Paulista

Professora Associada - Livre Docente (2019) em Ensino de Arte. Mestre (1998), Doutora (2003) em Educação Brasileira. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP/Faculdade de Ciências - FC, Departamento de Educação de Bauru.

Referências

ALMEIDA, A. Ludicidade como instrumento pedagógico, 2009. Disponível em: https://www.cdof.com.br/recrea22.htm. Acesso em: 20 jan. 2019.

ANDREAZI, S. G. et al. Educação e ludicidade: Um olhar para novas metodologias. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO IFSP, 4., 2018, Araraquara. Anais [...]. Araraquara, SP, 2018. Tema: Os dez anos da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, com seu atual panorama e seus desafios. Disponível em: http://ocs.ifsp.edu.br/index.php/conept/iv-conept/paper/view/4015. Acesso em: 28 jan. 2020.

ANDREAZI, S. G. et al. Percepção dos alunos do Curso Técnico Integrado ao Ensino Médio ao uso de metodologias lúdicas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO, 7., 2019, Bauru. Anais [...]. Bauru, SP, 2019. Tema: Educação pública como direito: desafios e perspectivas no Brasil contemporâneo. Disponível em: http://cbe.fc.unesp.br/cbe2019/anais/index.php? t=TC2019031450165 . Acesso em: 28 jan. 2020.

BOGDAN, R C; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Projeto de Lei n. 8035/2010. Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Projetos/EXPMOTIV/MEC/2010/33.htm. Acesso em: 03 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Linha do tempo. Brasília, DF: MEC: 2016. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/images/pdf/linha_tempo_11042016.pdf . Acesso em: 16 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. O Ensino Médio no contexto da educação básica. Brasília, DF: MEC: 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#medio. Acesso em: 15 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituições da Rede Federal. 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/rede-federal-inicial/instituicoes. Acesso em: 15 set. 2019.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e Cultura: Revisão técnica e versão brasileira adaptada por Gisela Wajskop. 4. ed. São Paulo, Cortez, 2001.

CORTELLA, M. S. Educação, escola e docência: Novos tempos, novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014.

FORTUNA, T. R. Sala de aula é lugar de brincar? In: XAVIER, M. L. M.; DALLA ZEN, M. I. H. (org.). Planejamento em destaque: Análises menos convencionais. Porto Alegre: Mediação, 2000. p. 147-164. (Cadernos de Educação Básica, 6)

GAUTHIER, C; TARDIF, M. A Pedagogia: Teorias e práticas da Antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Vozes, 2010.

HUINZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução: João Paulo Monteiro. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a Educação Infantil. Perspectiva, Florianópolis, v. 12, n. 22, p. 105-128, jan. 1994. ISSN 2175-795X. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10745/10260. Acesso em: 06 mai. 2020. DOI: https://doi.org/10.5007/%x. Acesso em: 15 set. 2019.

KOBAYASHI, M. C. M; ZANE, V. C. Adolescente em conflito com a lei e sua noção de regras no jogo de futsal. Rev. bras. educ. fís. esporte (Impr.), São Paulo, v. 24, n. 2, p. 195-204, June.2010. DOI:https://doi.org/10.1590/S1807-55092010000200004 DOI: https://doi.org/10.1590/S1807-55092010000200004

MINAYO, M. C. S. (org.) Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575415474

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J; PASCAL, C. Documentação pedagógica e avaliação infantil: um caminho para a transformação. Porto Alegre: Penso, 2019.

PIAGET, J. Psicologia e pedagogia. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

Publicado

2022-02-02

Como Citar

ANDREAZI, S. G.; KOBAYASHI, M. do C. M. Concepções docentes sobre didáticas lúdicas no ensino técnico integrado ao ensino médio. Revista Hipótese, Bauru, v. 8, n. 00, p. e022009, 2022. DOI: 10.47519/eiaerh.v8.2022.ID405. Disponível em: https://revistahipotese.editoraiberoamericana.com/revista/article/view/405. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Métricas